A Emirates Airlines completou nesse domingo, 25 de outubro seus 35 anos de fundação.

Era 1984 quando o sheik Mohammed bin Rashid al Maktoum, Ministro da Defesa dos Emirados Árabes Unidos à época e membro da família real progressiva de Dubai, pediu ao Maurice Flanagan, diretor administrativo da Dnata, que avaliasse a possibilidade da criação de uma nova companhia aérea. Em dezembro do mesmo ano, o amplo plano de negócios estava completamente pronto, e o nome Emirates foi escolhido para a nova empresa aérea emiradense.

Em 1985, Maurice Flanagan foi encarregado da ambiciosa missão de lançar uma companhia aérea vistosa, boa e capaz de gerar dinheiro no prazo de cinco meses e com US$ 10 milhões de recursos financeiros iniciais.

Seu primeiro voo, foi em 25 de outubro, o voo EK600 partiu de Dubai com Karachi como destino. A Empresa tinha como aeronaves um B737 e um A300, e uma tripulação arrendada da PIA – Pakistan International Airlines.

Somente em 1987, a Emirates recebeu sua primeira aeronave adquirida. O A6-EKA, um A310-304. Decolou de Toulouse, fábrica da Airbus, para Dubai, em seu voo de entrega.

First Emirates Flight | Milestone series – 1985 | Emirates Airlines

Desde sua criação, nos primeiros cinco anos, a companhia aérea atingiu a marca de 14 destinos voados:

(1985) Dubai, Mumbai, Déli e Karachi
(1986) Amã, Colombo, Cairo e Dhaka
(1987) Male, Frankfurt e Istambul
(1988) Damasco
(1989) Jeddah e Kuwait.

Em 1992, o Aeroporto Internacional de Dubai passou por uma grande reforma, em que a Emirates se transferiu para um novo terminal de partidas, concentrando suas operações, o que lhe custou cerca de US$ 2 milhões. Com o novo terminal 2, a capacidade foi ampliada em dois milhões de passageiros por ano.

Na década de 90, A Emirates é pioneira no lançamento de entretenimento a bordo e se torna a primeira companhia aérea a instalar sistemas de vídeo em todos os assentos e em todas as classes de cabine da sua frota inteira.

Sistema de Entretenimento ICE – Implantado em todas as aeronaves da Emirates Airlines.

Vinte anos depois, o ano encerrava com pouco mais de 86 milhões de passageiros transportados em 373 mil aeronaves movimentadas em Dubai. Tornando-se assim, não só como o principal aeroporto árabe, mas como um dos maiores de todo o mundo.

Dubai portanto, assumiu o papel de grande importância para a companhia. Em localização estratégica, permitiu facilitar a conexão do mundo ocidental com o oriental.

FROTA
Hoje em dia, é praticamente impossível ligar a marca da Emirates sem pensar na sua incrível frota. Em apenas 35 anos, passou a contar com quase 270 aviões, todos widebody.

A imagem da companhia é criada por ser a maior operadora do Airbus A380, o maior avião de passageiros do mundo, com capacidade de até 840 passageiros em uma única classe e até 550 em 3 classes.

AIRBUS A380 Emirates Airlines – Pintura especial ExpoDubai 2020

Voando para os principais mercados, o Airbus A380 ajudou a Emirates a transportar ainda mais passageiros ao redor do mundo. O avião ficou conhecido também, pela sua luxuosidade. Os clientes da primeira classe contam com cabines privativas, além de chuveiro a bordo para tomar banho durante o voo.

NO BRASIL
No Brasil, a Emirates iniciou suas operações em São Paulo no dia 1⁰ de outubro de 2007, utilizando o Boeing 777-200LR em seu longo voo com em torno de 15 horas de duração.

Já no Rio de Janeiro, a companhia dos Emirados Árabes, deu início aos seus voos em 2012 utilizando o Boeing 777-300ER. As operações na Cidade Maravilhosa foram extendidas até Buenos Aires e posteriormente também contou com Santiago do Chile, tendo o equipamento alternado com os 777-200ER e LR.

A Emirates também foi responsável por um grande passo na aviação brasileira. Foi a primeira companhia aérea a operar comercialmente no país com o maior avião de passageiros do mundo, o Airbus A380. O voo especial aconteceu em 14 de dezembro de 2015, ligando Dubai com São Paulo.

A380 – Emirates Airlines – GRU Airport

São Paulo também contou com uma novidade: foi introduzido uma segunda rota procedente de Dubai, porém com destino final à capital chilena. O voo era operado três vezes por semana somente, com o Boeing 777-200LR. Assim como os voos para o Rio de Janeiro, a rota foi cancelada devido a pandemia.

35 Years Of Flying Better | Emirates Airlines